+

Projetos em andamento

INCUBADORA E UNIDADES DE REFERÊNCIA

INCUBADORA E UNIDADES DE REFERÊNCIA COMO ESTRATÉGIA NO PROCESSO DE INCUBAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS ECONÔMICOS SOLIDÁRIOS (EES) PARA DISSEMINAÇÃO DE TECNOLOGIAS SOCIAIS SUSTENTÁVEIS NOS MEIOS RURAL E URBANO, SOB A ÓTICA DA ECONOMIA SOLIDÁRIA

Este projeto pretende, em continuidade aos trabalhos que vêm desenvolvendo no âmbito do Programa Multidisciplinar de Estudos e Pesquisas sobre o Trabalho e os Movimentos Sociais - Núcleo/Incubadora Unitrabalho – UEM, atender 10 (dez) empreendimentos e/ou grupos informais, sendo 5 (cinco) no meio rural e 5 (cinco) no meio urbano. Na sua atuação envolve os princípios da economia solidária por meio de um conjunto de atividades sistemáticas de pesquisa, formação, assessoria técnica e tecnológica que abrange desde o surgimento do empreendimento econômico solidário (EES), até a sua consolidação. Baseado na autogestão, por meio da troca de conhecimentos, busca-se a melhoria, ampliação e comercialização de produtos e serviços com foco no desenvolvimento territorial sustentável pela organização do trabalho, conquista da autonomia e viabilidade econômica dos empreendimentos a fim de combater a extrema pobreza. Concomitante com a atuação da extensão, relacionada com o processo de incubação dos EES, o Núcleo/Incubadora também atua como espaço de estudos, pesquisas e desenvolvimento de tecnologias sociais sustentáveis, facilmente aplicáveis como estratégias de produção para geração de trabalho e renda.


QUITUTES E BELEZURAS

A IDENTIDADE CULTURAL REGIONAL REFLETIDA NA ALIMENTAÇÃO E NO ARTESANATO

A história, os costumes, a cultura e a identidade de uma comunidade podem ser analisadas pelos seus saberes e fazeres. Assim, o artesanato e a culinária local são formas de se conhecer e apresentar como atrativos turísticos a cultura das regiões que representa. Este projeto de extensão objetiva identificar e analisar os saberes locais relacionados à alimentação e ao artesanato do município de Maringá e região de influência, no estado do Paraná. Este projeto também confere continuidade aos trabalhos desenvolvidos no âmbito do Programa Multidisciplinar de Estudos e Pesquisas sobre o Trabalho e os Movimentos Sociais - Núcleo/Incubadora Unitrabalho – UEM, atendendo empreendimentos e/ou grupos informais, que atuam com artesanato e alimentação na região. Envolve os princípios da economia solidária por meio de um conjunto de atividades sistemáticas, desde o surgimento até a consolidação, com base na autogestão, por meio da troca de conhecimentos, buscando o desenvolvimento cultural e territorial sustentável pela organização do trabalho. As atividades contemplam desde o cadastramento, passando pelo relato das origens do artesanato (belezuras) e dos alimentos (quitutes), resgatando o patrimônio cultural como um conjunto de valores identitários, proporcionando acesso à comunidade local e regional.

Este “espaço” também oportuniza aos visitantes apreciar espetáculos teatrais, de dança e música, garantindo acesso gratuito ao lazer e à cultura e, ao mesmo tempo, assegurando um local no campus universitário que permita aos apreciadores das artes e da cultura, adquirirem artesanatos (belezuras) e alimentos (quitutes) de forma organizada e apropriada ao conhecimento cultural compartilhado, como forma da preservação dos hábitos, usos e costumes caracterizadores da identidade dos povos de nossa região.


A INCUBADORA E O PROCESSO DE INCUBAÇÃO

A INCUBADORA E O PROCESSO DE INCUBAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS ECONÔMICOS SOLIDÁRIOS (EES) ASSOCIADOS À PESQUISA EM TECNOLOGIAS SOCIAIS, ARTICULADAS COM O DESENVOLVIMENTO LOCAL (UEM – CAMPUS SEDE)

Este projeto tem por foco principal a incubação de empreendimentos econômicos solidários aliando a pesquisa e desenvolvimento de novas tecnologias sociais aplicáveis, bem como, identificar o protagonismo de dois empreendimentos incubados no desenvolvimento local e no campo das políticas públicas, inclusive de Economia Solidária. Pretende-se também, fomentar o aprimoramento da metodologia de incubação que vem sendo desenvolvida pela Incubadora, priorizando a aplicação de novos instrumentos e diagnósticos para promover a autonomia dos empreendimentos e desse modo, contribuir para o aprimoramento do referencial conceitual e metodológico acerca dos processos de incubação e pós-incubação. Concomitante ao processo de incubação dos EES, a Incubadora também fortalecerá sua atuação como espaço de estudos, pesquisas e desenvolvimento de tecnologias sociais inovadoras e sustentáveis, com potencial de aplicabilidade como estratégia de produção e disseminação da Economia Solidária. Nesse sentido, pretende-se desenvolver a adequação de rótulos e embalagens diferenciadas para os produtos alimentícios dos empreendimentos da agricultura familiar incubados, adequados às demandas por alimentos mais saudáveis preconizadas pelo mercado consumidor. Toda a proposta prevê a interação com demais projetos em desenvolvimento na Incubadora, no sentido de maximizar os resultados e garantir um acompanhamento integral dos empreendimentos, contando também com parcerias estratégicas externas.


FOMENTO À CRIAÇÃO DO SAN

Fomento à Criação do Núcleo de Segurança Alimentar e Nutricional (SAN) no Programa da Unitrabalho UEM

A partir da organização intergovernamental de 12 Estados da América do Sul, chamada de União de Nações Sul-Americanas (UNASUL), surge o projeto SAN na Unitrabalho. A Segurança Alimentar e Nutricional no âmbito da UNASUL é responsável pelo fomento da criação do Núcleo de Segurança Alimentar e Nutricional (SAN), que oferece aos Empreendimentos Econômicos Solidários (EES) encubados no âmbito da Unitrabalho, apoio técnico na elaboração e obtenção de produtos da agricultura familiar por meio de uma equipe acadêmica multidisciplinar. O principal objetivo é fazer com que os produtores insiram seus produtos como: frutas, legumes, verduras, panificados e derivados do leite, no mercado local ou forneçam para instituições públicas ou privadas, obedecendo à todas as informações técnicas necessárias como, tabela de informação nutricional, rotulagem dos alimentos. O projeto visa a capacitação dos agricultores dos EES envolvidos na cadeia produtiva dos alimentos. Esse treinamento é voltado para que os manipuladores de alimentos produzam alimentos saudáveis diferenciados e seguros, seguindo o Manual de Boas Práticas de Fabricação para assegurar que seus produtos sejam isentos de contaminantes ou risco a saúde dos consumidores. 


ORGANIZADAS E MOBILIZADAS 

Mesmo as mulheres representando mais da metade da população brasileira apta ao trabalho, são os homens que preenchem quase 58% dos postos de trabalho registrados. A PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) ainda demonstra que as mulheres que estão em trabalhos formais, ocupam em sua maioria as profissões identificadas como “femininas” e com menores salários. Ao incluir a variável cor ou raça, têm-se os dados de 45% de diferença salarial entre pessoas brancas e pessoas negras e pardas. No entanto, há algo positivo: essas pessoas estão resistindo por uma economia alternativa, estão vinculando-se à Economia Solidária. Dentre este público, as mulheres, considerando em sua pluralidade o envelhecimento, raça, orientação sexual, classe social e se são usuárias ou não de serviços da Saúde Mental, são fundamentais. Assim surge enquanto proposta do Projeto promover troca de saberes acadêmicos e populares buscando fortalecer e fomentar encontros contínuos de grupo de mulheres organizadas e vinculadas a Empreendimentos Econômicos Solidários (EES), visando construir espaços que estimulem a identidade coletiva e a participação política de mulheres para além da produção de renda, comercialização e consumo. Faz parte também discussões informativas de assuntos atuais nas cooperativas e associações e o fortalecimento da extensão universitária.